Fandom de Parauapebas mantém viva lembrança de Renato Russo, ídolo do rock nacional


  • Nenhum comentário
  • Destaques

Neste sábado, Renato Russo faria 61 anos

Em um dia como hoje, 27 de março, nascia um grande ícone do rock nacional, Renato Manfredini Júnior, o grande Renato Russo, líder da Legião Urbana, que hoje faria 61 anos. A data é lembrada e comemorada neste sábado por vários fandons espalhados pelo Brasil, que continuam mantendo sua memória viva.

Deicharles Dasmascena, fundador e produtor da Banda Legionários, ‘cover’ da Legião Urbana em Parauapebas, faz parte desse grupo de fãs apaixonados pelo cantor, sua história e composições. Ele começou a ouvir as músicas de Renato Russo em 1999, gostou e começou a conhecer melhor sua discografia.

O apreço cresceu tanto que motivou Deicharles a promover um evento para os fãs da Legião Urbana de Parauapebas, em 2006. Como o sucesso foi surpreendente, ele fundou a banda Legionários e passou a promover nos anos seguintes o tradicional Tributo à Legião Urbana, no Centro de Desenvolvimento Cultural (CDC).

Deicharles Damascena, em dezembro de 2013

“Eu nem sabia a quantidade de fãs que existia em Parauapebas. Esperava aí em torno de 100 a 200 pessoas no CDC. Seria apenas um show único de comemoração, mas para minha surpresa a casa lotou – mais de mil pessoas no local – aí eu vi, que tinha muitos fãs da Legião Urbana aqui”, relembrou o produtor.

Os anos passaram e mesmo que Renato Russo não esteja mais entre os vivos, seus fãs continuam mantendo acesa a chama da sua memória e o sucesso do seu legado. Por quê? Deicharles responde.

Banda Legionários em 2013

“Primeiro que as letras que o Renato criava, era muito baseado no que ele vivia, romances ou que no país estaria vivendo. Lembro que em um dos seus shows, ele dizia esperar não cantar mais a música “Que país é este”, 20 anos depois. A música “Que país é este” é tão atual quanto naquela época. Então, são as letras fantásticas que mantém acesa a chama da Legião Urbana. E aqui em Parauapebas existe centenas de fãs”, explicou.

Devido à pandemia, o 15º tributo foi realizado apenas em dezembro do ano passado com a baixa da contaminação. A banda Legionários foi a atração principal do VII Rock in Roça que tratou de homenagear a Legião Urbana, realizado no Sítio Açaizal, no Cedere I. Durante o evento, o vocalista atual, Luciano Figueredo, cantou os principais sucessos do álbum duplo ao vivo “Música para acampamento”, lançado em 1992, que reúne gravações feitas para programas de rádio e televisão entre 1984 e 1992.

Silvestre Marlon é outro fãzaço da Legião Urbana em Parauapebas. Esteve presente em todos os Tributos da Banda Legionários desde sua fundação. Ele cresceu sob a influência das músicas de Renato Russo, incentivado pelas irmãs e o cunhado desde os oito anos. De lá para cá, ele nutre uma admiração especial pelo ídolo.

Silvestre Marlon em evento do Legonários

“O Renato tinha o dom muito grande de escrever letras, que parece que você já viveu aquilo, vai viver ou está passando no momento. Eu acho muito f*d* isso! E a vida dele? Eu estudei em entrevistas. Era muito admirado, pelo Dinho [Fê Lemos] do Capital Inicial, e outras bandas, é tanto que quando eles vão dar entrevistas ou fazer documentários sobre o Rock Brasília, o Renato é o centro de tudo”, compartilhou o fã.

Trajetória de Renato Russo

Renato foi cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista brasileiro. Se tornou líder, vocalista e fundador da banda de rock Legião Urbana.

Ao longo de sua carreira Renato foi cantor, compositor, produtor e multi-instrumentista brasileiro. Se tornou líder, vocalista e fundador da banda de rock Legião Urbana.

Até estourar nesse grande sucesso, Renato integrou o grupo musical Aborto Elétrico, do qual saiu devido aos constantes desentendimentos com o baterista Fê Lemos.

Pais e Filhos, um dos grandes sucessos de Renato Russo

Seu sobrenome artístico Russo foi adotado em homenagem ao inglês Bertrand Russell, ao suíço Jean-Jacques Rousseau e ao francês Henri Rousseau. Renato morreu jovem, aos 36 anos, devido as complicações causadas pelo HIV em 11 de outubro de 1996. Renato lançou oito álbuns de estúdio, cinco álbuns ao vivo, alguns lançados postumamente e diversos contos. Gravou ainda três discos solo e cantou ao lado de Herbert Vianna, Adriana Calcanhotto, Cássia Eller, Paulo Ricardo, Erasmo Carlos, Leila Pinheiro, Biquini Cavadão, 14 Bis e Plebe Rude.

Para ouvir a playlist de comemoração aos 61 anos de Renato,


Mais do Portal F5


  • Destaques

Assalto a carro-forte na PA-150 entre Jacundá e Marabá

 Na tarde desta quinta-feira, 15 houve uma tentativa de assalto a um carro-forte da...

  • Destaques

Vale lança programa de apoio ao empreendedorismo sustentável

Estão abertas as inscrições para o Programa Inova Up. Uma iniciativa da Fundação Vale, em...

  • Destaques

Encontrado fator que aumenta o risco de morte por covid-19

Uma pesquisa realizada em pacientes norte-americanos descobriu que o risco de morte por covid-19 é...