OAB se posiciona contra revista intima realizada em advogadas no Pará


  • Nenhum comentário
  • Destaques

A Ordem dos Advogados do Brasil condenou o que classificou de ‘ofensas’ contra a dignidade das mulheres e violação das prerrogativas da advocacia

Uma portaria da Secretaria de Administração Penitenciária do Pará determina que advogados devem passar por revista íntima para atenderem seus clientes dentro de presídios e ao menos três advogadas já afirmaram ter passado pelo ‘procedimento vexatório’. A Ordem dos Advogados do Brasil condenou o que classificou de ‘ofensas’ contra a dignidade das mulheres e violação das prerrogativas da advocacia. Em seu artigo 5.º determina. “O advogado será submetido a todos os procedimentos rotineiros de revista, os quais já são realizados, indistintamente, em todas as autoridades.”

A norma interna destaca ‘a necessidade de regulamentar os procedimentos de extração e movimentação dos presos, para realização de entrevista pessoal e reservada e/ou atendimento com advogados, compatibilizando os protocolos de segurança com as prerrogativas profissionais insculpidas na Lei 8.906/1994 (Estatuto da Advocacia e OAB)’. Ao menos três casos foram registrados na primeira semana de implementação da Portaria.

Revista no banheiro A advogada Milene Serrat Brito dos Santos Marinho precisou ‘baixar as calças e levantar a blusa’ em um banheiro do Centro de Triagem da Marambaia, em Belém, para poder entrevistar o seu cliente. Ela foi inspecionada com um detector de metais e liberada. Ainda, informou que a entrevista não ocorreu de forma reservada e que agentes penitenciários ficaram à porta. Milene acusa infração das prerrogativas da Advocacia.

Ela registrou um Boletim de Ocorrência na Divisão de Crimes Funcionais da Corregedoria da Polícia Civil. O documento diz. “A relatora não concordou com o procedimento, entretanto, dada a necessidade de entrevistar seu cliente, que não possui parentes na cidade de Belém, tendo em vista que o mesmo reside em São Sebastião da Boa Vista, falou que iria se submeter à revista.”

Com a palavra, a OAB

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil repudiou o procedimento efetuado contra Milene e defendeu o direito dos advogados de ‘entrevistar-se com o seu cliente, ainda que encarcerado’. “Os princípios da segurança e da dignidade, ponderados, não admitem e não toleram atitudes autoritárias e vexatórias praticadas pelas autoridades carcerárias brasileiras.”

Alberto Campos, presidente da OAB no Estado, enviou um pedido de federalização de desagravo para o Conselho Federal da Ordem em face do secretário extraordinário de Estado para assuntos penitenciários, Jarbas Vasconcelos. Campos disse. “O objetivo é que o Conselho Federal assuma conjuntamente todas as medidas judiciais cabíveis: desagravo, responsabilização civil, penal e administrativa.”

Com a palavra, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária

A reportagem entrou em contato e aguarda posicionamento. O espaço está aberto para manifestação.

UOL


Mais do Portal F5


  • Destaques

Aumentam notificações de coronavírus em Parauapebas

Desde o dia 02 de abril, Parauapebas protagoniza o aumento das notificações e suspeitas de...

  • Destaques

Golpe da Páscoa: Estelionatários usam links maliciosos para roubar dados de usuários

Em meio à pandemia do novo coronavírus, criminosos têm se aproveitado para realizar golpes por...

  • Destaques

O Pecado de Mandetta e a derrota de Bolsonaro

Ao ganhar popularidade, Mandetta inflou suas pretensões políticas a ponte de começar a contradizer e...